Saiba Mais


dez 17

Tristeza de fim de ano: como lidar?

Para algumas pessoas, essa época do ano de festas e comemorações gera tristeza e angústia

final de ano

Comemorações e encerramentos nem sempre são fáceis

Nessa época do ano, as referências das festas de final de ano, como ceia de Natal, confraternizações, amigo secreto, Réveillon, estão presentes em todos os lugares. Enquanto para muitos são momentos de alegria e divertimento ao lado da família e amigos, para outros é um período que gera sentimentos mistos ou até melancolia e tristeza.

Mas, por que isso?

Esses sentimentos são comuns em qualquer época, mas, por ser um período de encerramento de ciclos e finalizações em geral, a tristeza pode estar mais presente.

É importante ressaltar a diferença entre tristeza e depressão.  A tristeza é um sentimento comum que é caracterizado pela falta de alegria e ânimo, causado por alguma situação ou condição específica, como término de relacionamento, problemas no trabalho ou luto, e tem uma duração menor de tempo. Já a depressão, é um transtorno com vários sintomas, por exemplo, alteração constante de humor, perda de interesse, mudança de peso significativa, insônia ou sono em excesso, desânimo, falta de concentração, e que costumam durar por mais tempo (por mais de 3 semanas).

Se os sintomas depressivos aparecerem ou se intensificarem no final do ano, provavelmente já vinha apresentando mudanças no decorrer do ano.

Alguns motivos para a tristeza de final de ano:

Ansiedade – aumento de ansiedade gerada pela expectativa das celebrações (preparação da ceia, compra dos presentes, organização das férias, etc), além das projeções e metas para o próximo ano. Também há uma pressa para encerramento dos afazeres, como estudo e trabalho.

Pressão/influência social – as cidades enfeitadas, as propagandas, lançamentos de filmes e séries, novela tudo gira em torno das festas e encontros familiares perfeitos, o que destoa da realidade. Famílias brigam, pais se divorciam, ter poucos amigos, por exemplo, são situações comuns que, para algumas pessoas, podem causar culpa e a impressão de que só a vida delas não é perfeita.

Lembranças – por ser um período de encerramento, é natural realizar um balanço do que aconteceu e/ou lembrar de situações que podem causar melancolia.

Frustração e cobrança – também surgem ao fazer uma avaliação do último ano. Metas não alcançadas ou alteradas, situações que não aconteceram da maneira como foi planejado, por exemplo, ressurgem.

Comparação – é comum também que haja comparação com outras pessoas, do que elas alcançaram ou realizaram.

Então, o que fazer para diminuir esse mal-estar?

Cuide de você, separe um tempo para fazer as coisas que gosta e te dão prazer, respeite seu ritmo e o que sua mente e corpo estão dizendo.

Converse com alguém em que confie e fale sobre a situação. Caso, isso não seja possível ou os sintomas persistirem, procure ajuda profissional. A psicoterapia auxilia nesses momentos, com espaço de acolhimento e escuta, ajudando a superar essa condição.

Para saber mais sobre a psicoterapia, assista o vídeo com a psicóloga Carolina Leite:

 

FacebookTwitterGoogle+Email