Saiba Mais


nov 25

25 de novembro: Dia Internacional da Não Violência contra Mulher

O Brasil é o 5º país que mais mata mulheres, segundo segundo o Alto Comissariado das Nações Unidas pra os Direitos Humanos (ACNUDH)

protesto

Lute como uma garota!

 

A violência contra a mulher tem altos índices no mundo. O Brasil tem 3 casos de feminicídio por dia (13º Anuário Brasileiro de Segurança Pública) e 1 caso de agressão contra mulher a cada 4 minutos. Dados da ONU (Organização das Nações Unidas), mostram que em 2017 mais de 87.000 mulheres foram mortas no planeta, sendo que 30.000 foram vítimas de seus companheiros ou ex e outras 20.000 mulheres foram assassinadas por outros membros da própria família. Por isso, é muito importante uma data de não violência contra as mulheres.

A data foi escolhida, em 1999, pela Nações Unidas em homenagem as irmãs Patricia, Minerva e Maria Teresa Mirabal, conhecidas como “Las Mariposas” (as borboletas) ,que foram assassinadas em 1960 por lutar contra o governo de Rafael Trujillo, na República Dominicana. Elas já tinham um histórico de posicionamento político e ativismo e a data de suas mortes se tornou um símbolo da luta da não violência contra a mulher.

Maria da Penha

A história de Maria de Penha é um símbolo da luta das mulheres no Brasil. Sofreu por anos violência doméstica e 2 tentativas de assassinato de seu próprio marido que a deixou paraplégica. Com a lentidão da Justiça brasileira, ela recorreu a ajuda internacional como uma denúncia do país a Comissão Interamericana de Direitos Humanos (OEA). Em 2002, conseguiu a condenação do ex-marido por 2 anos.

Apesar de toda demora do sistema judiciário, a sua luta resultou na Lei nº11.340/2006, a Lei Maria da Penha, que garante proteção e assistência às  mulheres vítimas de violência.

Para saber mais: Agosto Lilás

 

 Campanha Mundial dos 16 Dias de Ativismo Pelo Fim da Violência Contra as Mulheres

A ideia da Campanha surgiu em 1991  pelo Centro de Liderança Global de Mulheres que tem seu início no dia 25 de novembro com a Dia Internacional da Não Violência Contra Mulheres e se encerra no dia 10 de dezembro, Dia Internacional dos Direitos Humanos. A igualdade de gênero e a não violência fazem parte dos princípios fundamentais dos direitos humanos.

 

O papel do psicólogo clínico contra a violência de gênero

A psicologia é fundamentada na Declaração Universal de Direitos Humanos e um dever ético lutar contra qualquer tipo de violência. Dentro da clínica, o acolhimento e o fortalecimento da autoestima da mulher auxiliam no processo, desde reconhecer um relacionamento abusivo até conseguir sair dele.

Assista o vídeo com a psicóloga Carolina Leite:

 

Denuncie!

Ligue 180.

FacebookTwitterGoogle+Email