Saiba Mais


fev 09

Sobre o luto

Acolhimento é importante no processo de luto

Respeite o seu processo de luto. (crédito: Unsplash)

A pandemia do covid-19 afetou o mundo inteiro de diferentes formas e muitas perdas aconteceram (ainda acontecem), e lidar com tudo isso pode ser difícil. O luto não é só sentindo com a perda de alguém mas quando acontece uma quebra de vínculo como também com o fim de um relacionamento, emprego, animal, ou de algo importante para a pessoa e é um processo de elaboração, entre sentir a ausência e seguir adiante, que não tem tempo certo para ser sentido e nem uma única maneira de ser vivenciado, pois cada pessoa é única. O importante é respeitar o seu tempo de vivenciá-lo.

A psicóloga Elisabeth Kübler-Ross, que trabalhava com cuidados paliativos, percebeu 5 fases do luto:

  • Negação: a pessoa nega a perda e age como se nada tivesse acontecido, ignorando a situação.
  • Raiva: a pessoa se revolta com a situação e sentimentos como raiva, injustiça, se tornam presentes.
  • Barganha: a pessoa tenta negociar e tentar reverter a situação, sentimento de culpa pode surgir.
  • Depressão: a pessoa entende a situação e se sente triste, vazia, sozinha e melancólica.
  • Aceitação: a pessoa aceita a situação e começa a reorganizar a vida.

Apesar da definição das fases, nem sempre são vividas na ordem e nem pode ser vista como uma regra ou padrão. O processo de luto é um ir e vir não linear, apenas precisa ser sentido e acolhido, para que a pessoa possa conseguir processar a perda e se reorganizar internamente.

O luto e a pandemia

Além das perdas, a pandemia também afetou os rituais de despedida e processo de luto. Na reportagem “O tempo do luto da sociedade será maior que o tempo do coronavírus”, (Laboratório de Estudos da Morte/USP), a psicóloga Maria Júlia Kovács, disse: “Os rituais são muito importantes no processo do luto, oferecendo um espaço de segurança, conforto e compartilhamento para lidar com uma crise muito intensa na vida das pessoas, que é a perda de pessoas significativas” e também que “os rituais ajudam a organizar a realidade num momento de crise intensa, como é agora”.

Com isso, pensar em alternativas para os rituais de despedida e também em outras maneiras de oferecer suporte são necessárias para que etapas do processo de ressignificação não sejam ignoradas. Como escrever cartas, entrar em contato por vídeochamadas, oferecer apoio com coisas práticas a distância, entre outros.

E de forma coletiva, surgiram maneiras de homenagear as vítimas da pandemia como o projeto Inumeráveis e Memórias Covid.

Se para você o processo de luto estiver complicado, procure ajuda; um psicólogo pode auxiliar nesse momento.

FacebookTwitterGoogle+Email